22.5.09

As bolas de Ali (divididas em várias partes) Pt.03





É curioso dizer que, quando Muhammad Ali foi campeão olímpico, Floyd Patterson era o campeão mundial (perdeu o título pra Sonny Liston).
Os dois se encontraram durante a prova e Ali disse a Patterson: “Ei, Floyd! Tenho acompanhado você. Um dia ainda vou te dar uma surra. Não esquece que eu sou o melhor!”.

Imagina um campeão ouvindo isso de um amador.

Seis anos depois, Patterson dizia que ia ganhar o título de campeão “de volta para a América”, que ia fazer uma luta em nome do cristianismo.
E o campeão contra quem lutaria era justamente aquele amador bocudo da Olimpíada.
Ali, convertido ao islamismo, não gostou nada daquilo de "trazer o título de volta para a América" e, antes da luta, Ali disse que ia bater tanto em Patterson que ele ia precisar usar uma calçadeira pra colocar um chapéu na cabeça.

Fato foi que Ali, de fato, surrou Patterson e declarou depois: “Eu sou a América. Sou a parte que você não admite, mas acostume-se comigo. Negro, confiante, arrogante – é o meu nome e não o seu. É a minha religião e não a sua. São as minhas conquistas e não as suas. Acostumem-se comigo”.

Aquele era o jeito que Ali tinha para dizer: “não discutam religião comigo”.

Não é bom falar muito da luta entre Ali e Floyd Patterson, porque o que ele fez com Patterson, ele também fez – e fez bem pior – com Ernie Terrel.

Ao mudar de nome, Muhammad Ali alegou que “Cassius Clay” era seu nome de escravo.
Terrell fez a bobagem de insistir em chamar Ali de Clay.
Insistiu, também, em não pedir desculpas pelo engano.
Ali, então, surrou Terrell de tal maneira que ele não caísse, pra que continuasse em pé e continuasse apanhando.
Por QUINZE rounds.
No meio da luta, em pé no ringue, Ali desafiava Terrell a repetir o nome dele, gritando “What's my name?” e o chamava de “pai tomás” – um negro submisso aos brancos.

Evidentemente, chamaram a atenção de Ali por causa disso.

Ele respondeu da seguinte maneira: “Eu estou surrando um cara em cima do ringue e vocês se preocupam com o que eu digo pra ele?”

0 comentários: